Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

SARS-coV-2: Recombinação entre o Bio e o Terror?

Publicado: Terça, 30 de Junho de 2020, 17h46 | Última atualização em Quinta, 24 de Setembro de 2020, 13h49 | Acessos: 235

Otilia Lupi

 "It’s our wits versus their genes” (“É a nossa sabedoria versus os gens deles.”) nos disse o Dr. Joshua Lederberg, prêmio Nobel de Medicina em 1958, sobre as doenças emergente.

Invocando o poder de síntese do Dr. Lenderberg, e trançando um paralelo entre o cenário das doenças emergentes nas últimas décadas e o mito clássico da Caixa de Pandora de Hesíodo, Dr. Morens nos situa na principal discussão do momento em seu artigo publicado recentemente na prestigiada revista New England Journal of Medicine: “Another Novel Coronavirus”. A epidemia causada pelo Coronavírus SARS-2 (Covid-19), teve início em outubro de 2019 na Província de Hubei na China, e foi detectada pelas autoridades locais em dezembro do mesmo ano. Finalmente, em março de 2020, foi declarada como uma pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS), após intensa hesitação (Zhou et al, 2020; Zhu et. Al, 2019; Morens et al., 2020).

O mundo assistiu o esforço da China na contenção da pandemia, a sua progressiva expansão regional e agora a disseminação no Ocidente. Enquanto discutimos a validade das medidas adotadas, a pertinência das decisões individuais e coletivas para prevenir, conter e enfrentar a nova doença surgem os rumores sobre bioterrorismo (Wu et al., 2020; Huang et al., 2020; Andersen et al, 2020).

Os virologistas são categóricos: o vírus não saiu de uma jarra... aqui estou me referindo às jarras de cultivo celular usadas em laboratório para replicar os vírus! O vírus Covid-19 e seus ancestrais circulam entre mamíferos, certamente entre quirópteros (morcegos) que geralmente os portam sem adoecer...já existem evidências que há um nicho ecológico envolvendo morcegos e pangolins, dois mamíferos como os seres humanos (Andersen et al, 2020). É importante mencionar isso, uma vez que as células eucarióticas dos mamíferos compartilham componentes lipo-glicoproteicos e que esses componentes são a sua “chave” para entrada nas células eucarióticas e se replicarem. Afinal o COVID-19 não “pretende” causar doença, mas apenas se manter na natureza. Consequentemente concluímos que essa não será a última pandemia (Jones, 2020; Morens et al., 2020)

Se esse mecanismo ecológico e sistêmico na expansão das doenças virais entre diferentes espécies (conhecidos como salto interespécies) já é razoavelmente conhecido, por que então surgem os rumores sobre bioterrorismo a cada nova epidemia? Teorias sobre ataques premeditados ou rumores sobre possível liberação acidental já circulam em paralelo às notícias e relatórios oficiais. Especulações sobre a existência de laboratórios com nível de segurança máxima (NB4) na província chinesa mais afetada, bem como projeções econômicas desfavoráveis aparecem como provas inquestionáveis. Minha pergunta é: Por que esse tipo de ideia se amplifica? Por que somos susceptíveis a esse tipo de especulação? Primeiro, porque existem exemplos anteriores, o bacilo antraz usado nos ataques de 2001 nos EUA e o acidente em Sverdlovsk/URSS em 1979, entre outros. Também, porque compreendemos mal o fenômeno da emergência/reemergência das doenças infecciosas, e as recentes epidemias de arbovírus (Dengue, Zika, Febre Amarela e Chikungunya) e filovirus (Ebola) na última década são a prova disso. Finalmente, porque a ideia reducionista do “inimigo” a ser encontrado e combatido ainda é muito presente nas abordagens da ciência contemporânea.

Logo fica evidente que a existência do outro componente dentro do termo bioterrorismo é de extrema relevância, o termo “Terror”. Enquanto assistimos o desenrolar da epidemia e os esforços para compreendê-la e contê-la, somos expostos também a incorporação do medo (o Terror) que permeia o discurso técnico como uma ferramenta de convencimento. Da mesma forma que em outras modalidades de terrorismo, aqui o terror tem papel fundamental em impor a relevância do tema e perturbar a nossa capacidade de crítica básica.

Destaco que dentro da comunidade científica a produção de profusa bibliografia científica, sem o necessário distanciamento, a multiplicação de projeções locais pouco contextualizadas e por vezes sem validade externa contrariam a ideia da isenção científica. Ainda como uma consequência da urgência para organizar a resposta, surgem normas técnicas conflitantes e fragmentadas que produzem uma sensação de embate e dissociação no discurso oficial, resultando na incredulidade, desconfiança e resistência por parte da população. O discurso bélico sedimenta uma justificativa para a adoção de medidas desagradáveis, difíceis e até extremas. Entretanto, para que haja coerência nesse discurso, surge a necessidade de definir o inimigo eleito. Uma vez que a “guerra” contra o vírus se passa no ambiente abstrato das bancadas científicas, emerge o discurso do inimigo concreto: países, povos, etnias, culturas. Por fim, pessoas vão sendo vinculadas tanto a doença emergente em si, como a incapacidade de conter a epidemia. Um volume imenso de notícias, interpretações e teorias começam a circular, e progressivamente vão saindo do controle e, nesse ambiente de incerteza e medo, o embate crítico e as divergências tão necessárias e salutares se tornam uma ameaça perturbadora a uma ordem desejada.

Os governos estruturarão suas ações e responderão tendo em conta o ônus econômico e político no ambiente interno e externo; a opção pelo discurso bélico impõem alinhamentos e disputas que podem impactar de forma negativa contrariando a óbvia necessidade de cooperação. Nesse cenário de “quasi-guerra” surgem as disputas tecnológicas, logísticas, mercantis, culturais e científicas e o Terror se impõe como a verdadeira ameaça a lucidez e a inteligência.

Entretanto, as epidemias são apenas crises recorrentes na história da humanidade, independente das causas subjacentes. São momentos de ruptura e é preciso aproveitar esses momentos; quando os grandes blocos do conhecimento e dos interesses se chocam para construir pontes úteis ao progresso da humanidade no sentido pleno (Mores et al., 2020; Armstrong & Asch, 2020).

Invocamos o Dr. John Snow e uma constatação aprendida com as epidemias de cólera no século XIX, válida até hoje: “Às vezes o manejo das epidemias de Cólera requer tanto a hidratação individual quanto a remoção da manivela da bomba d’agua”. O fundador da epidemiologia, certamente teve o Medo como um aliado para justificar uma medida tão desagradável: lacrar a fonte de água de uma região para controlar um surto de Cólera. Seriam necessários ainda quarenta anos até que a participação de uma bactéria fosse plenamente demonstrada por Robert Koch (Harris et al. 2012).

Precisamos resistir a tendência de buscar soluções simplificadas para problemas complexos, evitando as distorções que impactam até a distribuição dos recursos disponíveis para assistência, pesquisa e desenvolvimento. O modelo vigente de financiamento tecnológico estimula mais a competição entre pesquisadores do que a cooperação (Jones, 2020). Entretanto, parece que a melhor forma de honrar as vidas perdidas será transformar a adversidade na possibilidade de novas interações construtivas, evitando a armadilha do discurso do Terror.



Fontes:

Andersen, K.G., Rambaut, A., Lipkin, W.I. et al. The proximal origin of SARS-CoV-2. Nat Med, 2020.

Huang Chaolin, Yeming Wang, Xingwang L, Lili Ren, Jianping Zhao, Yi Hu, Li Zhang, Guohui Fan, Jiuyang Xu, Xiaoying Gu, Zhenshun Cheng, Ting Yu, Jiaan Xia, Yuan Wei, Wenjuan Wu, Xuelei Xie, Wen Yin, Hui Li, Min Liu, Yan Xiao, Hong Gao, Li Guo, Jungang Xie, Guangfa Wang, Rongmeng Jiang, Zhancheng Gao, Qi Jin, Jianwei Wang†, Bin Cao†. Clinical features of patients infected with 2019 novel coronavirus in Wuhan, China. Lancet 2020; 395: 497–506.

David S. Jones. History in a Crisis — Lessons for Covid-19. March 12, 2020, at NEJM.org.

Jason B Harris, Regina C LaRocque, Firdausi Qadri, Edward T Ryan, Stephen B Calderwood. Cholera. Lancet 2012; 379: 2466–76.

Katrina Armstrong and David A. Asch. Bridging Polarization in Medicine — From Biology to Social Causes. March 5, 2020 at NEJM.org.

Morens, David M, Peter Daszak, and Jeffery K. Taubenberge. Escaping Pandora’s Box — Another Novel Coronavirus. February 26, 2020, at NEJM.org.

Na Zhu, Dingyu Zhang, Wenling Wang, Xingwang Li, M.D.,Bo Yang, Jingdong Song, Xiang Zhao, Baoying Huang, Ph.D.,Weifeng Shi, Roujian Lu, M.D., Peihua Niu, Faxian Zhan,Xuejun Ma, Dayan Wang, Wenbo Xu, M.D., Guizhen Wu, M.D., George F. Gao, D.Phil., and Wenjie Tan. A Novel Coronavirus from Patients with Pneumonia in China. January 29, 2020 at NEJM.org.

Wu, F., Zhao, S., Yu, B. et al. A new coronavirus associated with human respiratory disease in China. Nature 579, 265–269, 2020.

Zhou, P., Yang, X., Wang, X. et al. A pneumonia outbreak associated with a new coronavirus of probable bat origin. Nature 579, 270–273, 2020.

Fim do conteúdo da página